Blog

Conheça as quatro etapas da jornada de compra no Inbound Marketing

entenda jornada de compra online Interna Conheça as quatro etapas da jornada de compra no Inbound Marketing

Você é dono de uma empresa e está acostumado a reproduzir os mesmos processos, ano após ano. E como em toda empresa, papéis se acumulam, arquivos se amontoam e você acha que é assim mesmo, afinal, empresas acumulam papel e não há o que fazer.

Um belo dia, passeando pelas redes sociais, você visualiza um anúncio de uma empresa que trabalha exatamente com soluções para arquivos, como guarda física e organização. Começa então a famosa jornada de compra no Inbound Marketing.

Com ótimo ROI (Retorno Sobre o Investimento) para quem anuncia e comprovada efetividade frente ao público-alvo, trata-se basicamente de nutrir esses clientes em potencial com os conteúdos certos na hora certa.

E é justamente essa jornada de compra que é preciso ficar clara para que sua ação de Inbound Marketing seja bem sucedida. Vamos à elas:

APRENDIZADO E DESCOBERTA
Aqui seu público-alvo ainda não percebe que tem um problema e que precisa de uma solução. É ai que você precisa começar a subsidiá-lo, via blog e postagens em redes sociais, com textos do tipo ‘Como organizar documentos de forma prática’, ‘3 dicas para se relacionar melhor com seus arquivos’ e por ai vai. Com esse tipo de conteúdo a tendência é ele começar a abrir a mente para as possibilidades e vantagens de obter a solução que você está oferecendo.

RECONHECIMENTO DO PROBLEMA
Nutrido de forma suficiente com materiais de chamado ‘topo de funil’, mais abrangentes e genéricos, esse visitante começa a se interessar pelos assunto que sua empresa está propondo e é ai que ele precisa virar um lead. Aqui é a hora de trazê-lo para dentro de suas estratégias mais específicas, com iscas digitais. Materiais ricos como eBook, landing pages para captura de dados básicos como nome e email são imprescindíveis para dar o próximo passo e colocar esse cliente em fluxos de nutrição específicos, tendo em vistas os assunto para os quais ele mais interagiu.

CONSIDERANDO AS SOLUÇÕES
Aqui o já lead entendeu que existem soluções, reconheceu que tem um problema e continua a jornada de compra iniciando as considerações sobre as soluções possíveis. Nesta etapa casa bem materiais como “Veja o que levar em conta na hora de terceirizar a organização de arquivos da sua empresa’, por exemplo. É preciso controlar a vontade de pular etapas e já se apresentar como uma solução. Antes disso, ele precisa ver que sua empresa está, efetivamente, interessada em indicar as melhores opções para ele. Ebook e outros materiais ricos seguem valendo muito a pena nesta etapa, na anterior e até o fim da jornada.

APRESENTANDO AS OPÇÕES
Agora sim, com o lead devidamente nutrido, com suas grandes objeções superadas e devidamente ‘educado’, ele está pronto para analisar as opções do mercado. É nesta hora que é preciso ter sincronia com a equipe de vendas, produzir materiais de ‘fundo de funil’ do tipo ‘5 motivos para escolher a empresa X para cuidar dos documentos da sua empresa’ ou até ações promocionais e diretas, como landing pages com descontos, por exemplo.

Prepare a equipe de vendas com os dados do cliente, os assunto que mais despertaram sua atenção e com os quais ele mais interagiu e parta para a conversão do lead em cliente. Não perca tempo, pois se a jornada de compra foi cumprida este lead já está pronto para comprar e você não que ter todo o trabalho para que um concorrente feche em seu lugar.

Compreendida a jornada de compra, é hora de elaborar uma boa estratégia de Inbound Marketing e partir para a ação. Contar com especialistas em marketing digital é sempre uma boa ideia para ser preciso em suas ações e ampliar suas conversões. Para saber mais sobre o assunto você pode ler também o post Conheça o Inbound Marketing: uma nova abordagem para um novo consumidor’.

comentários

Marketing de conteúdo: 10 dicas para gerar um material matador

marketing de conteudo webi interna Marketing de conteúdo: 10 dicas para gerar um material matador

Despertar o interesse de um determinado público, por meio de conteúdo autoral e de qualidade, tratando de temas relevantes para o mesmo e gerando autoridade sobre assuntos que lhe atraem. Este pode ser um resumo – mesmo que em linhas bem gerais – sobre do que se trata o Marketing de Conteúdo (Inbound Marketing).

Mas sobre isso falamos em um post recente. O objetivo no post de hoje é listar 10 dicas para ajudar você na missão de criar um conteúdo matador, daqueles que emplacam, geram engajamento e impulsionam resultados práticos.

Como exemplo, vamos imaginar que estamos gerando conteúdo para uma empresa dedicada ao comércio de artigos infantis de luxo, como roupas e acessórios.

CRIE UMA PERSONA

Persona é uma pessoa que se idealiza imaginando que ela represente os principais desejos de um determinado público-alvo. Para um mesmo negócio é possível que haja mais de uma persona, mas seguindo o exemplo sugerido podemos entender que esta ‘pessoa ideal’ seria uma mulher que é mãe, com idade entre 25 e 40 anos, pertencente as classes sociais A e B+, etc. Também podemos entender que as avós configuram um público em potencial, sendo senhoras na faixa dos 50 aos 65 anos, pertencentes às classes sociais A e B+ e por ai vai. Pense no que interessa a esse público, que tipo de assunto ele busca na internet e terá um bom norte a seguir na geração de seu conteúdo.

DELIMITE SEU TEMA

Se você quer atingir mães e avós, não adianta produzir conteúdo que não esteja diretamente relacionado a condição de mãe/avó dessas pessoas. Dicas para mães de primeira viagem, o que levar à maternidade ou até mesmo como fazer uma papinha orgânica podem interessar a este público, então invista seus esforços em temas que estejam relacionados ao nicho que pretende atingir.

DEFINA UM CALENDÁRIO

A regularidade nas publicações também cumpre um papel vital no marketing de conteúdo. Não adianta produzir um material hoje, passar dois meses sem fazer nada, depois publicar outra coisa. É preciso estabelecer um calendário e publicar com frequência para se consolidar como uma referência no segmento – tanto para seu público quanto para o Google -, conquistar seguidores, conduzir o lead pelo funil de vendas do Inbound Marketing e atingir seus resultados.

CRIE LISTAS

Quem nunca se deparou com um material do tipo ‘7 coisas que você precisa saber sobre…’? Exatamente como o título deste post. Esse tipo de material desperta a atenção por apresentar de forma objetiva uma proposta de ‘passo a passo’ rumo ao conhecimento que seu leitor está procurando. Abuse das dicas e ganhe pontos com seu público-alvo.

FACILITE A LEITURA

Faça uso à vontade de intertítulos, tópicos e todo tipo de elemento que facilite a leitura. Seja claro e prefira sempre parágrafos curtos. Grandes blocos de texto tornam o conteúdo menos interessante e podem assustar o leitor.

EVITE A AUTOPROMOÇÃO

É claro que para materiais chamados de fundo de funil é preciso demonstrar porque sua empresa é a melhor solução para aquilo que o lead busca. Mas, no geral, prefira textos educativos, promova o conhecimento, se coloque no lugar de quem você quer atingir e lembre-se de como é pouco efetiva a autopromoção. Seja um parceiro do seu público e não apenas alguém que busca o dinheiro dele. Os resultados tendem a fluir muito melhor.

NÃO COPIE CONTEÚDO

Não há qualquer problema em fazer uso de trechos e referências citadas ao longo de seu texto. Pelo contrário, usando com bom senso é possível criar um conteúdo muito mais sólido e persuasivo. Contudo, NUNCA copie textos inteiros ou em grandes partes de outras fontes, sob a pena de ser prejudicado no ranking do Google a ainda perder credibilidade junto a seu leitor. E não adianta tentar maquiar, o Google vai reconhecer um material que não é autoral e punir seu site.

INVISTA NOS TÍTULOS

O ambiente digital é muito dinâmico e se sua isca não for boa e precisa, você perderá a oportunidade de apresentar um bom conteúdo apenas por escolher mal seu título. Vá direto ao ponto e gaste tempo pensando em algo que vai chamar a atenção, como: ‘7 itens que não podem faltar na mala da maternidade’.

CAPRICHE NAS IMAGENS

Uma boa foto ou gráfico pode fazer toda diferença na hora do seu cliente em potencial decidir se vai ler ou não o material que você produziu. Faça a imagem trabalhar de forma orgânica e fluida com seu texto e terá bons resultados.

UTILIZE PALAVRAS-CHAVE

Conhecendo sua persona, você vai supor diversos termos e palavras pelos quais seu público pode procurar seu produto ou serviço na internet. Utilizando ferramentas como o Planejador de Palavras-Chave do Google Adwords você pode verificar quais são as mais buscadas e, partindo dai, utilizar esses termos em seu conteúdo. Insira este termo em seu título, no primeiro parágrafo e uma vez por parágrafo – ou um pouco menos, para não parecer muito artificial -, lançando mão de plurais, sinônimos e destaques em negrito também, para que o Google atribua relevância, seu conteúdo seja apresentado nas buscas e emplaque junto ao público.

O Marketing de Conteúdo pode contribuir muito para alavancar seu negócio se for feito da maneira correta e com a frequência necessária. Gostou do material? Aproveite também e Conheça mais sobre o Marketing de Oportunidade. Siga acompanhando o blog da WEBI e uma ótima leitura!

comentários

O poder de conversão do marketing personalizado

mkt personalizado O poder de conversão do marketing personalizado

O conceito de marketing personalizado não é novo. Seu embrião vem do final dos anos 1970, quando da cabeça do norte-americano Lester Wunderman surgiram alguns dos principais conceitos utilizados até hoje e levados adiante pelo marketing digital.

Se as ideias rendiam ótimos resultados já naquela época, com o aprimoramento das tecnologias e a formação de um coletivo digital as formas de praticar e os benefícios do ‘marketing um para um’ ganharam novos contornos.

A partir de duas perguntas básicas vamos esclarecer alguns pontos e indicar boas razões para apostar na segmentação como receita de sucesso para uma maior taxa de conversão.

Como iniciar a personalização?

Antes de mais nada, ter em mente quais são os perfis de cliente que seu negócio atende. Traçar suas singularidades, preferências e inclinações é o primeiro passo para ‘fisgar’ seu público-alvo com ações que pareçam ter sido elaboradas individualmente.

Faça campanhas específicas para cada perfil, monitore o percurso de cada lead e reúna indivíduos em grupos segmentados por preferências. Com uma base segmentada você pode enviar material do tipo ‘A’ apenas para pessoas interessadas no tipo ‘A’, economizando esforços e otimizando resultados.

Atente-se. Fazer o uso de ferramentas de marketing digital que permitam acompanhar o lead em sua jornada de compra, observando quais páginas do seu site ele mais acessou, que tipo de conteúdo mais interessa a esse lead, é algo realmente importante. Evita abordagens genéricas desnecessárias e permite ir direto ao ponto na missão de converter leads em oportunidades, e oportunidades em vendas.

Por que personalizar?

Muitas das respostas possíveis para esta pergunta já foram apontadas na questão anterior. Mas vale debater mais a respeito. Um dos princípios do tão falado Inbound Marketing, o marketing personalizado é específico, pontual e certeiro.

Diferente de muitas mídias convencionais, neste modelo proposto cada grupo é atingido naquilo que, de fato, interessa. Se eu tenho uma loja virtual que vende eletrodomésticos e percebo que um determinado lead anda pesquisando sobre TV de LED, não há motivo para nutrir esse potencial cliente com material sobre geladeira, por exemplo.

Apresentando promoções específicas no setor de TVs, campanhas promocionais para esse tipo de produto, novidades e lançamentos, as chances de conquistar esse comprador são muito maiores.

Você deve estar pensando agora: é um planejamento que dá trabalho! De fato, mas com o plano adequado, elaborado e implementado o retorno sobre investimento tende a ser imensamente maior que os obtidos pelas estratégias mais convencionais.

Aprofunde um pouco mais o assunto acessando nosso post Conheça o Inbound Marketing: uma nova abordagem para um novo consumidor. Fique por dentro do mundo do marketing digital e siga acompanhando as tendências no blog da Agência WEBI!

comentários

Seu site deve ser responsivo ou mobile?

escolha certo entre site resposnivo e mobile interna Seu site deve ser responsivo ou mobile?

Uma daquelas perguntas que não querem calar quando se fala em presença digital e melhor adequação à realidade é: ter um site responsivo ou uma versão mobile? Não se trata aqui de uma mera questão de gosto pessoal, cada um tem suas vantagens. Por isso entender as especificidades de seu site indicará qual caminho seguir.

Para deixar a distinção clara entre os dois vamos mostrar abaixo um comparativo de benefícios que poderá ajudar você a se orientar e fazer a escolha certa.

MOBILE

- Aqui trata-se de um site totalmente novo. Existe uma construção para desktop e outra para dispositivos móveis, sendo oferecida automaticamente a versão que corresponde ao dispositivo de origem que solicita o acesso.

- Sendo um site totalmente à parte, é possível evitar elementos que podem tornar mais lenta a navegação nos acessos móveis, bem como aprimorar a experiência do usuário para telas mais compactas.

- É possível lançar mão de tecnologias que fazem sentido apenas no ambiente digital acessado via mobile, como reações por touch-screen , discagem rápida, etc

RESPONSIVO

- Neste caso você tem uma plataforma adaptável a qualquer dispositivo de acesso. Seja um desktop ou um smartphone, você terá o mesmo site se remontando para adaptação às dimensões da tela. Com isso, se mantém o layout.

- Com a manutenção da identidade visual do site em múltiplas plataformas de acesso, se ganha também na experiência unificada do usuário no site. As mesmas reações que ele tem no desktop ele terá no tablet ou smartphone

- A atualização do site fica mais prática, já que com poucas atualizações no CSS é possível, inclusive, adaptar a um novo formato de tela antes não previsto

Para ajudar na escolha e não errar na decisão o mais importante mesmo é sempre buscar orientação de profissionais do marketing digital. Empresas que simplesmente desenvolvem sites podem não fazer a análise necessária e oferecer uma solução padrão, que nem sempre é a ideal para as características do seu negócio.

Quer mais dicas para se dar bem no mundo digital? Siga acompanhando o blog da WEBI e aproveite!

comentários
Posts recentes
Facebook Google Plus